Calcificações na mamografia


Meu exame de mamografia apresenta calcificações - o que significa isto?

É freqüente que pacientes procurem orientação médica por terem realizado uma mamografia de rotina onde são identificadas calcificações. São na maioria das vezes achados da mamografia não causando qualquer sintoma. A maioria delas são benignas, porém o câncer de mama em sua fase inicial também pode apresentar como único achado as calcificações no exame de mamografia. Exames de boa qualidade são de fundamental importância na correta avaliação desta alteração radiológica.

As calcificações podem ser divididas em 3 grupos principais:

  • As benignas, causadas por nódulos em involução (fibroadenomas), traumatismos, cistos com parede calcificada, vasos sanguíneos calcificados e cirurgias prévias. São classificadas segundo o sistema BI RADS®¹ como categoria 2.

Este tipo de alteração deverá ser mantido em controle anual como ocorre com aquelas pacientes que apresentam mamografia normal.

  • As calcificações classificadas como provavelmente benignas ou categoria 3 do BI RADS®, se apresentam agrupadas iguais entre si, regulares no seu formato.

Estas calcificações merecerão controle mais frequente com mamografia a cada 6 meses.

  • As suspeitas para malignidade ou malignas, se apresentam agrupadas de formatos diferentes entre si e irregulares. São aquelas classificadas como categoria 4 ou 5 do BI RADS®. 

As calcificações categoria 4 são ainda subdivididas em 4A que tem baixo risco para malignidade, sendo a conduta adotada individualizada caso a caso levando em consideração todos os antecedentes da paciente, o histórico familiar de câncer de mama e exames  de imagem da mama anteriores se porventura existirem. Na categoria 4B o risco para malignidade é moderado e a categoria 4C é sugestiva de malignidade e a biópsia (retirada de pequenos fragmentos da lesão para o diagnóstico) destas alterações está indicada. Nas calcificações da categoria 5, a possibilidade de tratar-se de câncer é alta, de mais de 95% e a biópsia é indispensável para o diagnóstico.

Como recomendação final, o melhor a fazer é buscar orientação de um especialista que poderá indicar a melhor conduta a ser seguida em cada caso. Nesta situação, muitas vezes, estaremos diante da oportunidade de realizar um diagnóstico precoce de câncer de mama com chance de cura podendo se aproximar de 100%.  

 

1. BI RADS® - Breast Imaging Reporting and Data System (Sistema de dados e informação em imagens da mama).                                                                                                                                

                                                                                                                                                                 


                                                                                                                                                               

Este site segue os princípios do Código de Ética Médica Brasileiro.

Responsável Técnico: Rodrigo Motta de Carvalho – CRM 52.53452-7