Mastectomia Poupadora do Complexo Aréolo-Papilar

Você sabe o que é mastectomia poupadora de pele e complexo aréolo-papilar? E quando pode ser realizada para o tratamento do câncer de mama? Veja então, como os avanços na cirurgia podem ajudar no tratamento do câncer de mama: 

A mastectomia poupadora de pele e a mastectomia poupadora da pele e do complexo aréolo-papilar são técnicas relativamente novas para o tratamento cirúrgico do câncer de mama. Estudos publicados recentemente têm reforçado a segurança oncológica destas técnicas no tratamento do câncer de mama. Trazemos neste texto um resumo de um artigo de revisão publicado em junho de 2017. Em primeiro lugar vamos esclarecer cada uma das técnicas de mastectomia:

O que é uma mastectomia? É a retirada total da mama normalmente incluindo sua pele e o complexo aréolo-papilar.

O que é uma mastectomia poupadora de pele? É uma técnica de retirada da mama que poupa grande parte da pele da mama mas não o complexo aréolo-papilar.

O que é a mastectomia poupadora do complexo aréolo-papilar? É a mastectomia em que se realiza a retirada de toda a mama mantendo toda e pele da mama inclusive o complexo aréolo-papilar.


Existem vantagens importantes para as técnicas de mastectomia que preservam a pele ou a pele e o complexo aréolo-papilar quando a retirada total da mama é a indicação para o tratamento de um câncer de mama:

  1. O resultado estético obtido nas reconstruções associadas à estas técnicas é melhor
  2. Pacientes tratadas com estas técnicas cirúrgicas se mostram mais satisfeitas com menor impacto psicológico
  3. As taxas de complicação e os resultados finais com estas técnicas, quando corretamente indicadas, são semelhantes às da retirada total da mama em conjunto com a pele e o complexo aréolo-papilar.

Quais as indicações para a escolha destas técnicas cirúrgicas (preservadoras de pele e complexo aréolo-papilar)?

  1. Carcinomas invasivos e carcinoma ductal in situ que necessitam de uma mastectomia (retirada total da mama) para seu tratamento. É aconselhável que na avaliação pré-operatória a lesão tenha pelo menos 2,0 cm de distância do complexo aréolo papilar .
  2. Mastectomias indicadas após quimioterapia também podem ser realizadas com estas técnicas (as pacientes devem ser corretamente selecionadas desde o início de sua avaliação).
  3. Mastectomias bilaterais realizadas para redução de risco em pacientes de alto risco.

Quais são as principais complicações quando se realiza uma mastectomia com preservação da pele e do complexo aréolo-papilar?

  1. Necrose do complexo aréolo-papilar (perda do tecido por falta de vascularização). Esta complicação pode ocorrer com mais frequência em casos onde as mamas são volumosas, existe ptose (queda das mamas) grau 2 ou 3, tabagismo, obesidade associada e realização de radioterapia após a cirurgia. Equipes médicas com grande experiência neste procedimento, podem contribuir para evitar este tipo de complicação.

Uma recomendação fundamental a ser seguida: a realização de estudo dos limites de ressecção da lesão da mama em relação à pele e principalmente ao complexo aréolo-papilar que estão sendo preservados. Esta avaliação é feita por um médico patologista experiente, presente durante a realização da cirurgia.

É altamente aconselhável que pacientes que se encontram diante da indicação de uma mastectomia, conversem com seus médicos sobre a possibilidade da indicação de um procedimento que preserve a pele e o complexo aréolo-papilar. Clique aqui e veja um esquema com algumas opções para realizar este procedimento.                 

 

Bibliografia consultada:

  1. V. Galimbert, E. Vicini, G. Corso, C. Morigi, S. Fontana, V Sacchini, P. Veronesi. Nipple-sparing and skin-sparing mastectomy: Review of aims, oncological safety and contraindications. The Breast, Published online: June 30, 2017.

Este site segue os princípios do Código de Ética Médica Brasileiro.

Responsável Técnico: Rodrigo Motta de Carvalho – CRM 52.53452-7